quarta-feira, janeiro 09, 2013

9

É legítimo usar a dança como expressão de louvor a Deus?



Por Hermes C. Fernandes

Não é de hoje que a dança é um tabu entre os cristãos de diversas tradições. Há quem a admita apenas como expressão cultural ou de interação social, mas jamais como instrumento de louvor a Deus. E há quem faça o caminho inverso, usando e abusando da dança no ambiente de culto, porém, desprezando-a fora dali.

Pesquisando pela internet encontrei várias advertências quanto ao seu uso pelos cristãos.[1]

A igreja metodista diz: “A dança é prejudicial à vida cristã,” e alerta os seus membros contra ela.

Diz a igreja congregacional: “Resolvido, que na opinião da associação a prática da dança por parte dos membros de nossa igreja não condiz com a profissão religiosa, devendo ser tornada objeto de disciplina.”

A igreja presbiteriana: “Consideramos a prática de dança por parte dos membros da igreja como pasmosa incoerência, e o entregarem-se os chefes de família a tais reuniões dançantes, como tendente a comprometer sua profissão religiosa, e o enviarem os pais cristãos seus filhos a escolas de dança como grave erro na disciplina da família.”

Diz a igreja episcopal, na palavra do bispo A. C. Coxe: “A dança é lasciva.” Mais tarde o mesmo bispo advertiu os dançadores que “contem em não vir à mesa da comunhão.” O bispo Hopkins acrescenta: “A dança é responsável pela dissipação de tempo, a condescendência para com a vaidade pessoal e o incitamento prematuro das paixões, e artifício nenhum pode torná-la condizente com o pacto do batismo.”

A igreja católica romana (Concílio Pleno de Baltimore), diz: “Consideramos ser nosso dever advertir nosso povo contra os divertimentos que possam facilmente tornar-se para eles ocasião de pecado, contra as modalidades de danças que, como praticadas presentemente, repugnam a todo sentimento de delicadeza e decoro, e se fazem acompanhar dos maiores perigos para a moral.”

Deixando de lado as opiniões denominacionais, verifiquemos o que dizem as Escrituras acerca desta prática que acompanha a humanidade desde os seus primórdios.

# Dança como expressão de louvor a Deus nas Escrituras

Não faz muito tempo que algumas igrejas resolveram adotar a dança em seus cultos. Porém, no afã de evitar escândalo, principalmente por parte dos mais conservadores, adotou-se a nomenclatura “coreografia” em vez de “dança”.  A princípio, os grupos de coreografia apresentavam perfomances comedidas, com passos e gestos bem sóbrios. 

Com o passar do tempo, alguns grupos aderiram ao ‘mover’ conhecido como dança profética.  O termo ‘dança’ em conexão com o termo ‘profética’ tornou a prática mais palatável entre os considerados mais ‘espirituais’, despindo-a de sua conotação mundana. Segundo os expoentes do movimento, a dança profética teria o objetivo de trazer mensagens à congregação, levando-a a uma adoração mais profunda.  Deste mover, desenvolveu-se a adoração extravagante, em que os participantes expressam seu louvor a Deus com canções e danças improvisadas.

Já entre os pentecostais clássicos surgiu o movimento conhecido como re-te-té, em que as pessoas são tomadas por uma espécie de êxtase, rodopiando ou marchando pelo salão da igreja. Tais manifestações exóticas são consideradas por estes grupos como danças espirituais, embaladas pelo som de pandeiros e corinhos de fogo cujo ritmo e harmonia lembram pontos cantados em terreiros de religiões afro-brasileiras.

Apesar de nossas reservas devido aos abusos cometidos por ambos os movimentos, não podemos negar que haja fundamentação bíblica para o uso da dança como expressão de louvor a Deus.

Lemos no relato do Êxodo dos hebreus, que após atravessarem o Mar Vermelho, “Miriã, a profetiza, a irmã de Arão, tomou o tamboril na sua mão, e todas as mulheres saíram atrás dela com tamboris e com danças” (Êx. 15:20).

Alguns poderão alegar que Miriã provavelmente estava sob influência cultural egípcia, e que àquela altura o povo de Israel ainda não havia desenvolvido sua própria maneira de cultuar a Deus.  Entretanto, encontramos outro episódio ocorrido vários séculos depois, quando Israel já estava devidamente estabelecido como nação, e o culto a Deus já havia sido normatizado. Trata-se da passagem em que Davi trouxe de volta a Jerusalém a Arca da Aliança. O texto diz que “Davi, vestindo o colete sacerdotal de linho, foi dançando com todas as suas forças perante o Senhor, enquanto ele e todos os israelitas levavam a arca do Senhor ao som de gritos de alegria e de trombetas” (2 Sm. 6:14-15). Censurado por sua própria esposa que o acusou de querer exibir-se perante suas servas, Davi se justificou: foi perante Senhor que dancei; e perante ele ainda hei de dançar” (2 Sm 6:21). Aos que insistem em associar a dança com irreverência, pergunto: Estaria Mical com a razão? Teria Davi cometido algum excesso? 

Não bastassem esses dois casos, encontramos uma orientação clara no livro dos Salmos, que, diga-se de passagem, foi fartamente usado pela igreja primitiva como base do seu culto a Deus:

“Louvai-o com o tamborim e a dança, louvai-o com instrumentos de cordas e com órgãos. Salmos 150:4

A maioria que discorda do uso da dança como elemento de culto alega não haver no Novo Testamento nenhuma orientação acerca disso. Porém, sabemos pelo próprio Paulo, que a igreja deveria usar os Salmos em seu culto a Deus. Confira:

“Falando entre vós em salmos, e hinos, e cânticos espirituais; cantando e salmodiando ao Senhor no vosso coração.” Efésios 5:19

Teria Paulo e os demais apóstolos censurado o Salmo 150 que nos orienta a louvar a Deus com danças? Recuso-me a crer nesta possibilidade. Imagine a cena: todos estão declamando este salmo, quando, de repente, alguns começam a dançar. Paulo, então, interrompe a leitura e diz: “Parem com isso agora mesmo! Que irreverência! Vocês podem ler, mas não praticar!” Ora, isso não me parece razoável.

E o que dizer dos Salmos 87 e 149? Também deveriam ser censurados?

“Com danças e cânticos, dirão: "Em Sião estão as nossas origens!” 
Salmos 87:7

“Louvem eles o seu nome com danças; ofereçam-lhe música com tamborim e harpa.” Salmos 149:3

A exigência neotestamentária é que o culto deve ter ordem e decência (1 Co.14:40). Porém isso, de maneira alguma, exclui expressões corporais, desde que não sejam apelativas e sensuais. Ademais, por que numa aliança caracterizada pela liberdade faltaria um elemento como a dança tão apreciada sob a primeira aliança? Seria, no mínimo, um contrassenso acreditar que os que vivem sob a égide da graça seriam privados de um bem tão comum aos que viveram sob o peso da lei.

Que tem havido abuso quanto ao uso da dança no culto, não me atrevo a discordar. Principalmente nos movimentos que apontei acima. Só não vejo razão para jogar fora o bebê junto com a água suja do banho. Basta que eliminemos os exageros para que encontremos um equilíbrio.

Penso que haja lugar tanto para danças ensaiadas (performáticas) como para danças espontâneas e congregacionais.  Tudo dentro de um padrão descente e devidamente ordenado. Sem extravagâncias. Sem chocarrices. Sem histeria. Sem êxtases. Apenas corações tomados da alegria do Espírito, desejosos de expressar sua gratidão a Deus. 

Décadas atrás, a igreja debatia se deveria ou não usar instrumentos musicais em seus cultos. Hoje, esta temática parece estar ultrapassada. Tanto órgãos como guitarras elétricas e baterias são facilmente encontrados em igrejas de praticamente todas as denominações. Acredito que o mesmo se dará com o uso de dança nos cultos. 

Os pregadores podem ficar tranquilos que a dança jamais substituirá a pregação da Palavra, nem os louvores congregacionais. Se porventura isso ocorrer, compete ao ministro chamar a atenção de sua congregação para que reencontre o equilíbrio perdido. 

No próximo post abordaremos a dança como expressão cultural e de interação social. É lícito ao cristão praticar ballet, dança de salão, valsa de debutante, etc?



[1] http://www.jesusvoltara.com.br/atuais/dancar_danca.htm

9 comentários:

  1. Muito boa a postagem... concordo com alguams partes, discordo de outras... Mas, sem entrar no mérito do tema, sou Metodista, e não vejo esta Ênfase no meio... Pelo contrário.. Tenho visto e muito o crescimento de ministérios de dança na igreja Metodista, ao menos aqui no RS...
    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. A voz da Maranata.7:33 AM

    Hermes só se for movido pelo Espírito Santo.
    Miriã e o rei Davi dançou na presença de Deus, mas no Espírito.
    Na África, os africanos cantam e dançam o dia inteiro que já vi, e olha que é com alegria e no Espírito Santo, lá o fogo do Espírito Santo caí entre eles com Poder, pois há sinceridade diante de Deus nos corações deles.
    Agora estas danças arranjadas dentro das igrejas, para mim é holofote pessoal, e forçar a barra em dizer que é do Espírito Santo.
    Quando a pessoa está cheio do Espírito Santo é diferente, ela dança, canta em línguas estranhas, fala em línguas estranhas etc, que envolve a igreja toda.
    Dançar pelo poder do Espírito Santo na presença de Deus, é uma coisa.
    Dançar na carne porque a igreja exige, e porque gosta e acha bonito é outra coisa.
    O poder de Deus derramado no meio do seu povo santo e fiel é tremendo, coisas novas ele faz, e há quebrantamento nos corações, um despertar acontece, alguns voltam para o primeiro amor, que nunca deveriam sair, e deixar.
    Já o mover na carne, é um funeral cristão que vemos dia a dia nas igrejas atuais, infelizmente!

    ResponderExcluir
  3. Rodrigo, as coisas evoluíram. Muitas denominações históricas como a Metodista resolveram rever seus conceitos. Penso ser uma tendência irreversível. Tomara!

    ResponderExcluir
  4. "A voz da maratana", o que seria 'dançar o espírito'? Seria algum tipo de êxtase? O texto diz que Davi dançava com "todas as suas forças", a ponto de sua nudez se exposta. Acredito que Davi estava tomado de alegria, porém, em posse de suas faculdades mentais. Ele sabia exatamente o que estava fazendo. Ele dançava ao som de instrumentos musicais. À época, não havia manifestações como dons de línguas ou coisa parecida.

    Fazer algo no espírito nada mais é do que fazer algo motivado por amor a Deus e ao semelhante. Fazer algo na carne é tentar chamar a atenção para si. Só Deus pode pesar as motivações. Para Mical, Davi estava tentando chamar a atenção. Porém, para Deus, ele apenas expressava seu contentamento por trazer de volta a arca para Jerusalém.

    ResponderExcluir
  5. Nazaré5:58 PM

    Hermes concordo com a voz da maranata.
    Parece que voce não conhece a manifestação do Espírito Santo não!
    Hermes Davi poderia estar alegre mas dançou no poder do Espírito Santo em gratidão a Deus pela batalha vencida meu amigo bispo.
    Lembre-se que Deus não aceita nada que vem da carne, manifestação carnal!
    Lembre-se da filha de Herodias que dançou para agradar um homem que era Herodes, e foi na carne pois ela não tinha Jesus em sua vida, olha a diferença entre dançar no poder do Espírito Santo como Miriã, e dançar na vontade da carne como a filha de Herodias.
    As igrejas estão fazendo isto, homens e mulheres como a filha de Herodias dançam para agradar homens, e holofotes pessoal, isto é real! E todos estão vendo!
    Meu amigo, quando o Espírito Santo se manifesta em uma pessoa, haverá cura, uns falam em línguas estranhas, uns tem cânticos espirituais, uns dançam,etc.
    Só que já foi visitado pelo Espírito Santo sabe o que falo, como aconteceu comigo que falei 2 horas sem parar em línguas estranhas, e não conseguia falar minha língua original devido o poder de Deus que estava em minha vida.
    Quando o fogo do Espírito Santo caí, ninguém segura!
    Sei que vais falar que é mentira, mas Deus sabe que não é!
    É tremendo o poder de Deus ninguém consegue segurar sua manifestação.
    O que voce me diz de Miriã heim? Dançou ou não dançou na presença de Deus!Lembre-se Hermes que Miriã era profeta, e claro que só poderia dançar no poder do Espírito Santo como agradecimento a Deus,porque na carne Deus rejeita.
    Meu amigo, estas danças nas igrejas é carnal, onde o homem quer ser a atração e o Espírito Santo está longe dos seus corações. Fale que estou mentindo!
    OU SEJA O ESPÍRITO SANTO ESTÁ DO LADO DE FORA DAS IGREJA EVANGÉLICA, ESPERANDO PARA ASSUMIR SEU LUGAR, POIS O HOMEM CARNAL NÃO DEIXA ELE AGIR E ENTRAR, POIS O ESPÍRITO SANTO ATRAPALHA O ESTRELISMO E A ATRAÇÃO O GLAMOUR ESPECIAL SENDO PARA ELE, O HOMEM CARNAL.
    Dançar na carne, e homens efeminados desmunhecando e etc como vemos nas igrejas é uma coisa, dançar no poder do Espirito Santo é outra meu amigo Hermes.
    Pode jogar pedras porque vai acerta Jesus primeiro, pois ele é meu escudo.
    Depois o negocio é com Ele.
    OBS: Hermes é lógico que no VT, O Espírito Santo manifestava de outra forma, as pessoas eram ungidas e o Espírito Santo se manifestava nela, como o profeta Natã fazia, como profeta Eliseu ungiu Saul e o Espírito Santo manifestou na vida.
    Já a manifestação dos dons de línguas e cânticos espirituais começaram no NT como todos sabem disto.
    Falei de Davi e Mirã que é um assunto, há uma divisões aí que falei, dançar no Espírito, dançar na carne e os dons de línguas etc ok?
    Tem três etapas que falei, não confunde as coisas.
    É o meu parecer e ponto final.
    Dançar pelados como fazem no carnaval é dançar no Espírito Santo também? Parece que deve ser para voce. Pois dançar no poder do Espírito Santo e na carne é tudo igual para voce não é mesmo bispo hermes.
    Assim fica difícil!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se Deus não aceita a expressão de louvor da carne, então por que nos fez carne ? o Espirito só pode se manifestar se houver uma carne,a bíblia diz que tudo é lucido mais nem tudo convêm, as formas de adorações a Deus começa na nossa carne e termina no espirito.(tudo é vaidade )o que temos que fazer é pregar o evangelho e não cuidar a igreja vizinha ,ou julgar por descordar de suas vaidades o que temos que fazer buscar o senhor enquanto se pode achar .....

      Excluir
  6. Bispo Hermes, porque vc retirou meu comentário.
    É uma realidade que todas precisam ler e ver o que o pecado faz com uma pessoa escrava da carne.
    Peço que se possível expõe novamente meu comentário por gentileza.
    muitos precisam ler isto.
    Agradeço, Lili dançarina de carnaval.

    ResponderExcluir
  7. Seu comentário não foi removido. Ele esta no post atual. Você confundiu os posts.

    ResponderExcluir
  8. Anônimo7:43 PM

    dançar no espirito é ser tomado pelo espírito santo, como Davi e a profetiza Mirian. as danças que hoje são realizadas nas Igrejas são coreografias de homens que por falta de uma profunda comunhão se esforça para agradar a Deus com seus recursos naturais.
    mas a verdadeira adoração vem pelo espírito de cristo.
    hoje realmente foi deixado o espírito fora do culto por isso tantas invensões

    ResponderExcluir