segunda-feira, maio 11, 2009

0

Deus: Um Pai com Amor de Mãe.

Transcrição do sermão pregado na manhã de hoje (10/05/09) Pastor Cecílio Junior. Santa Ceia ministrada na Reina do Engenho Novo.


Você já notou que, ainda antes de o neném nascer a mãe já o ama. Mesmo sem nunca ter visto o rosto da criança, só em saber que a criança já foi concebida a mãe já devota amor para com ela.

O amor de mãe é incondicional, ela nos ama antes mesmo de nós a amarmos. Assim como é o amor de Deus para conosco, nós O amamos porque ELE nos amou primeiro (I João 4:19).

Ainda antes de existirmos Deus nos ama. É um amor que antecede a existência, como diz em Jeremias 1:5a; "antes que te formasse no ventre te conheci, e antes que saísses da madre, te santifiquei".

Quando uma mãe está prestes a dar a luz, qual é o trabalho e o esforço de seu filho? Ele se esforça para nascer, ou é de sua mãe todo o trabalho para que ele nasça? Com certeza é da mãe todo esforço e trabalho para que a criança venha a nascer. Ela (a criança) apenas se deixar levar pelos esforços dispensados pela sua mãe.

E quando estamos prestes a nascer de novo, qual é o nosso esforço? É nosso o encargo de fazermos o trabalho de parto, ou é Deus quem faz todo o trabalho do novo nascimento?

Para responder a questão acima citada, vamos recorrer a João 1:12-13: "Mas a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que crêem no seu nome; Os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus."

Fica claro que o novo nascimento é um esforço 100% divino, sem qualquer tipo de participação humana.

Se uma criança embora sendo um ser vivo não se esforça para nascer, antes descansa no trabalho de parto da mãe. O que dizer de nós que estávamos mortos em nossos pecados e delitos, como teríamos alguma parcela participativa na salvação? De fato "pela sois salvos, mediante a fé e isso não vem de vós é dom de Deus" (Efésios 2;8), e sabe pra que? Para que ninguém se glorie (verso 9b). Soli Deo gloria!

Porque uma mãe ama o seu filho recém nascido? Durante 9 meses ele lhe causa dor, depressão, estrias, desejos estranhos, seu corpo se deforma e ele, ao invés de nascer sorrindo, já nasce chorando.

Assim também porque Deus nos ama tanto? Se durante a vida nos lhe causamos tanta dor, depressão, marcas de espinhos, seu corpo se deformou, e nós, ao invés de agradecermos, vivemos reclamando.

A explicação está no fato de que SUA Graça é maior do que qualquer pecado humano, não é a toa que onde abundou o pecado, superabundou a graça. E mais:

"Em que noutro tempo andastes segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe das potestades do ar, do espírito que agora opera nos filhos da desobediência. Entre os quais todos nós também antes andávamos nos desejos da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos por natureza filhos da ira, como os outros também. Mas Deus, que é riquíssimo em misericórdia, pelo seu muito amor com que nos amou, Estando nós ainda mortos em nossas ofensas, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos)" (Efésios 2:2-5).

Depois que o bebê nasce sua mãe começa uma longa jornada para ensiná-lo a andar, falar, viver. Ainda que o seu filho tropece, ela insiste até que ele aprenda.

"Quando Israel era menino, eu o amei; e do Egito chamei a meu filho. Mas, como os chamavam, assim se iam da sua face; sacrificavam a baalins, e queimavam incenso às imagens de escultura. Todavia, eu ensinei a andar a Efraim; tomando-os pelos seus braços, mas não entenderam que eu os curava. Atraí-os com cordas humanas, com laços de amor, e fui para eles como os que tiram o jugo de sobre as suas queixadas, e lhes dei mantimento" (Oséias 11:1-4).

Da mesma forma depois que somos regenerados, Deus nos ensina a andar como ELE andou, falar na linguagem do Reino e a viver em abundância. Ainda que o seu filho tropece, Ele insiste até que ele aprenda.

A conversão é algo instantâneo, acontece no momento em que nos rendemos a Cristo, já a santificação é algo paulatino, ocorre de glória em glória, e a garantia que temos é que Aquele que começou a boa obra é fiel para completa- la. Pois Deus é Paciente e Longânime e o motivo de nossa perseverança reside no fato de que ELE persevera por nós.

Por último, uma mãe dá a sua vida inteira por amor de seu filho, para que ele tenha uma grande vida! Sonhos são deixados de lado, única e exclusivamente para que a criança seja o centro das atenções.

"Porventura pode uma mulher esquecer-se tanto de seu filho que cria que não se compadeça dele, do filho do seu ventre? Mas ainda que esta se esquecesse dele, contudo eu não me esquecerei de ti" (Isaías 49:15).

Assim também Jesus deu a SUA vida inteira para que tenhamos uma vida completa Nele!

Via Blog do Bruno Jardim

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário